quarta-feira, maio 22, 2013

A escuridão de cada um

Tem um momento na vida de todos nós que percebemos que estamos sós ou estivemos sós durante toda a vida e não quisemos aceitar.Descobri hoje que não tenho em quem confiar,mesmo coisas bobas sem que futuramente me seja jogada na cara,foi difícil mas porém verdadeiro o que percebi,estou só neste mundo e isso é muito triste,sei que poderia procurar quem me ouça e sei que seria muito bem ouvida,mas também sei que as pessoas não querem e não estão dispostas a ficar carregando fardos alheios.Descobri que a única pessoa que me escuta sem colocar defeitos ou ficar me corrigindo,sou eu mesma,posso falar o que quiser pra mim e até discordar do que penso,mas eu tenho argumentos mesmo que momentâneos quando discordo de meus pensamentos ou atitudes.No caminho de volta pra casa hoje,eu desejei que o caminho pudesse ser muito mais longo e não foi.Hoje lembrei-me de quando criança que ficava sempre só e em algum canto como pano velho,mas eu ficava brincando com minhas bonecas e meu fogãozinho com quatro panelinhas sobre ele,eu conversava e eu mesma respondia,coisa de criança.Não importa quanto tempo tenha passado,mas hoje eu tive saudades daquela menininha retraída e tímida que eu era.
Enquanto a chuva cai lá fora,aqui dentro de mim está fazendo uma tempestade com
raios e trovões e não consigo disfarçar a minha instabilidade emocional
todos lutam por exteriorizar suas emoções mas as minhas estão tendo vida própria
já não sei nem controlar as minhas lágrimas que um dia só rolavam quando eu estava trancada sozinha e longe da visão de todos,hoje eu chorei no ônibus e só ia retirando as gotas que iam rolando face abaixo.
Queria ir para um lugar bem distante e que pudesse ficar por lá o tempo que eu quisesse,sem cobranças,sem nada para me fazer lembrar do que ficou pra trás.Mas eu quero um lugar onde nunca anoiteça pois tenho medo das sombras que a escuridão cria e dos sons que a noite revela.

Onde está a felicidade?

Queria poder escrever tudo o que tenho atravessado na garganta...mas não posso,tenho que ser forte e aprender a calar e estou conseguindo.Não é fácil e nem impossível mas eu sou capaz de passar por tudo e um dia poder contar como foi que venci esta batalha,lágrimas escorrem dos meus olhos neste momento...eu só quero e sempre quis ser feliz,mas percebi que isso só acontece a piucas pessoas no mundo.Eu quero gritar para que o mundo possa me ouvir e acho que um dia eu poderei sair saltitante e buscar o que eu quero,isso pode nunca acontecer e pode ser que eu seja presenteada e morra em seguida,mas sabendo que um dia eu conheci a verdadeira felicidade.♫EU QUERO SER FELIZ AGORA...

segunda-feira, março 25, 2013

SONHOS NÃO MORREM

Eu estava cá a pensar...eu achava que não tinha sonhos e que se os tivesse eu nunca os realizaria.Durante a caminhada da minha vida eu aprendi que os sonhos não eram para todos,apenas alguns tinham o direito de sonhar e realizar os mesmos.
Mas aos meus 45 anos descubro que eu tenho sonhos sim,e que um dia pelo menos um eu realizarei,é muito estranho a gente achar que não tem sonhos...sendo que é ele que nos conduz para a realização de algo,por menor que seja todos nós temos sonhos e não queremos nos apegar à ele e sinceramente eu não entendo o porquê.Eu achava que já havia contribuído nesse mundo e que poderia ficar tranquila e não havia realizado grandes sonhos,mas estava conformada com isso,eu acreditava que os meus pobres sonhos não seriam levados a sério nunca,achava que eu não era merecedora de um presente da vida ou seja a realização de um dos meus sonhos.Mas me amei talvez pela primeira vez,ao me deparar com sonhos ou novos sonhos,e descobri  que ao lingo da minha vida os meus sonhos foram mudando,e o mais incrível é que isso é muito natural no ser humano,ver que seus sonhos tomam outra forma ou mudam completamente mesmo.Me descubro um pouco mais feliz e cheguei a uma conclusão "passageira" (pq posso mudar de opinião em qualquer momento)de que eu estava muito infeliz e triste quando achei que não havia sonhos em mim.Estou aprendendo coisas novas e que estão me fazendo acreditar no meu potêncial,sou capaz de criar algo de me expressar sem ter que ser policiada por alguém,eu sou uma pessoa e não marionete,não me permito deixar que decidam o que devo ou não fazer.Eu sou forte,a vida me fortaleceu e está me mostrando que eu posso sonhar e realizar meus sonhos e isso só depende unicamente de mim,sonhar os meus sonhos ou deixar que morram aos poucos sem nem ter dado a chance de tentar?

REFORMA


Eu resolvi fazer uma reforma e comecei pelo carrinho de mão,nele fui colocando sentimentos,desilusões,desprezo e fui catando tudo o que não queria mais ali e cheguei na parte das amizades e dei uma boa vasculhada,percebi que ali havia muitas que já não faziam parte da minha construção e que nessa reforma eu teria que decidir o que fazer com elas.Reparei que na entrada há novas amizades e que me fazem muito bem,decidi que elas tem um lugar especial na minha reforma.Meu carrinho foi se enchendo de quinquilharias sem utilidade nenhuma,mas pensei que em momentos passados tudo aquilo fazia sentido e tinha muita importância em minha construção,mas já não tem mais...Tudo se renova,estou aprendendo com as paredes do emocional que quando começa a aparecer rachaduras e vazamentos é hora de reformar e renovar,colocar coisas novas no lugar das velhas e isso não significa que eu vá deixar tudo o que vivi pra trás,mas sim que vou doar pra quem queira ou mandar pra reciclagem,afinal tem gente que vive de passado e coisas velhas e eu não quero fazer parte desse grupo de pessoas.Quero mais luminosidade em minha vida sem perder a essência de tudo o que aprendi no decorrer da minha construção,descobri que reformas fazem parte da renovação e me deixa muito mais feliz e percebo que a minha felicidade não está exatamente em reformar e sim na decisão e na iniciativa,tudo já é um começo.Vou jogar fora tudo o que acumulei sem dar uso,quero recolocar na minha obra quando estiver terminada,algumas coisas sem as quais eu não saberia viver,quero de volta o sorriso das pessoas que passaram pela minha vida e não ficaram,quero a certeza da felicidade mesmo que passageira mas que sincera em sua duração.Nas paredes quadros dos mais variados e todos com tudo aquilo que me deixou bem nos momentos em que nada estava bem.Vai pro lixo toda a falsidade das pessoas que se aproximaram para tirar de mim o que nem eu tinha,na realidade eu tinha e não sabia até perder,e está perdido até quando eu não sei...Deixarei do lado de fora da minha reforma o que me fez chorar e sofrer,pessoas dissimuladas que conseguiram mexer na estrutura da minha família e ainda sair dando gargalhadas,não quero que a construção que elas poderão fazer no futuro tenha as mesmas rachaduras que elas deixaram na minha.Desejo de coração que cada um cuide da sua construção ou reforma e não cuide da reforma do seu vizinho,afinal ele não pediu a sua opinião e nem irá pedir,ele sabe que não é nada educado se meter na vida das pessoas e nem em suas reformas ou construções.

terça-feira, fevereiro 05, 2013

O amor é o maior dom de Deus

Cinco crianças brincando no quintal e a menor com pouco mais de dois anos sendo cuidada por a segunda depois da mais velha que deveria estar com uns oito anos de idade.Enquanto brincam no quintal a mãe encontra-se nos braços do amante ali mesmo em sua casa,o único cuidado é para que as crianças continuem a brincar lá fora.Uma delas cai e se machuca e começa a chorar e a mãe não está nem ai ela apenas diz para passar uma água e logo vai sarar.
Em outra ocasião a menina de dois anos já crescidinha se machuca na escola e a mãe manda que uma das filhas a leve na farmácia para o rapaz dar uma olhada,o farmacêutico corta parte da pele e aplica dentro do machucado uma anestesia...ela grita e segura com muita força o braço de sua irmã,passado alguns dias o machucado fica muito vermelho e a criança começa a ter febre muito alta e sua mãe resolve passar mercúrio,não adianta em nada e ela tem que levar ao pronto socorro,a mãe foi reclamando todo o tempo e lá o médico lhe deu uma bronca muito grande pois o rapaz da farmácia fez um procedimento errado.A criança estava ardendo em febre e teve que ficar em observação com lençóis molhados sobre seu corpo para assim fazer com que a febre diminuísse e teve que tomar muito soro via oral,durante todo o processo a mãe esteve sempre do lado de fora da enfermaria e não se aproximou em momento algum para saber como estava a sua criança.A menina não resistiu e entrou em óbito as 16h15 do dia 12 de Abril daquele ano de 1970.
Ainda haviam mais quatro filhos para criar,após o sepultamento da caçula a mãe retomou sua vida e seus amantes,crianças crescendo sem a figura paterna pareciam zumbis cada um fazia o que queria,naquela casa não haviam regras e nem alimentos.Havia ali muita vontade de vencer de todas aquelas crianças sujas e mal trapilhas,elas se cuidavam entre si,se amavam de verdade...nunca as vi questionando por suas vidas.Cresceram e eu estive todo o tempo ao longe observando pra um dia quem sabe poder contar pra alguém.Todas as moças casaram-se muito bem e moram em bairros bons em suas casas não há falta de alimento e seus filhos são cuidados como principesinhos e princesas,dá pra ver que são pessoas saudáveis e de bom coração.Estou velhinha mas sinto tanto orgulho por terem vencido e serem felizes.A mãe delas já muito idosa é cuidada por todas as filhas que a tratam com todo o carinho,está muito debilitada e já não reconhece as pessoas de seu convívio familiar,choro por ter presenciado tanto descaso para com as filhas e agora se reúnem para dar a mãe aquilo que nunca tiveram...cuidados,carinho e amor.Deus abençoe estas moças maravilhosas que são guerreiras desde o nascimento.

Realidade

Quando aos seus quinze anos Clodine já se viu praticamente noiva,aos dezessete casou-se para livrar-se do julgo da mãe.Foi morar no sul do país e por lá ficou durante dois anos,quando voltaram as dificuldades também os acompanhou,tinham que morar em casa de parentes e com uma criança pequena não era fácil.Seu  marido Ernesto um homem bom e trabalhador teve que retornar ao sul pois aqui não havia colocação de emprego  para ele,ela ficou com a sua mãe e irmãs...trabalhando de doméstica e voltando apenas aos finais de semana,tinha vezes que sua criança não tinha o leite e nem a papinha,sua mãe chorava muito pois não havia alimentos nem para suas filhas e muito menos para sua netinha.
Viveram assim por alguns meses,até que o marido retornou e alugaram uma casa onde tornou-se o lar tão esperado desde que voltaram.Não demorou muito tempo ela engravidou de novo e mais uma e mais outra e outra,muita criança para quem não gostava delas.Desde criança ela não apreciava criança e mesmo assim teve todas,só não teve mais por que o médico disse que era muita cesárea para uma pessoa só,senão teria tido mais uns cinco talvez.
Passou necessidades com sua família e nunca arrependeu-se de ter casado para fugir das garras da mãe.Passado o tempo quase tudo se repete,a filha mais velha Sabrina  também casa aos dezessete anos e tem um filho por ano como sua mãe a diferença é que a Sabrina gostava de crianças e também o médico por conta própria fez uma laqueadura,teve quatro filhos e aos doze anos de casada o marido chega e diz que vai embora,chama as crianças e explica a situação.
O que me chama a atenção é que Sabrina também casou-se para fugir da disciplina paterna e paga um preço alto por isso,vive com seus filhos trabalha em uma empresa pequena na cidade onde mora,seus filhos ainda crianças ficam sozinhos enquanto a mãe sai todos os dias para ganhar o pão de cada dia.Está proibida de arrumar um namorado,seu pai não quer nem ouvir tocar nesse assunto.
Penso que se ela tivesse estudado e trabalhado em sua juventude hoje não estaria sujeita a isso,ter que ficar só sentir-se solitária e não ter ninguém para dividir suas dúvidas e seus medos.Nunca devemos procurar uma saída para os problemas entrando em um casamento ou algo assim,pois envolve pessoas e a cabeça fica a mil por não saber lidar com a situação e o pior é não poder voltar ao tempo e fazer tudo diferente,há apenas uma realidade que é levantar-se do chão e ir a luta pois apesar de todos os obstáculos que aparecem durante a vida,há uma luz no fim do túnel,sempre há a possibilidade de tentar ser feliz e conseguir ser feliz de fato.Aprende-se a viver vivendo,antes de chegarmos ao céu  temos que passar pelo inferno.primeiro experimentamos o amargo da vida pra depois conhecer o doce que ela tem reservado pra nós.

segunda-feira, fevereiro 04, 2013